Poema sobre a água

Um poema sobre a água pode ser uma boa maneira de conscientizar todos sobre a importância desse recurso utilizado sem muita consciência.

Podemos ser o Planeta Azul, é claro, mas isso não significa que tenhamos água potável em abundância. Grande parte dessa água está em locais que ainda não conseguimos chegar e outra parte – a maioria dela – é água salgada, que como todos sabemos, é impossível de beber.

É por isso que devemos nos conscientizar sobre nossas atitudes com o Planeta Terra. Não desperdiçar água, sempre fechar a torneira ao escovar os dentes, não tomar banhos exageradamente demorados…

Tudo isso são pequenas atitudes muito simples que podem fazer com que a humanidade consiga viver mais tempo sem ter uma crise de água.

Confira alguns poemas sobre a água que farão você refletir sobre a importância dela.

Poema sobre a água

O seguinte poema não é totalmente sobre a água, mas faz uma reflexão acerca dela que vale a pena ser comentada:

A água se ensina pela sede;

A terra, por oceanos navegados;

O êxtase, pela aflição;

A paz, pelos combates narrados (…)

Emily Dickinson

Nesse poema, a poetisa Dickinson diz uma frase curta, porém muito impactante: “A água se ensina pela sede”, ou seja, você só aprende a verdadeira importância da água quando não a tem. Isso é importante para aprendermos a valorizá-la antes de perde-la.

O próximo poema sobre a água é de João Batista Melo, famoso escritor mineiro e se chama “A falta d’água no mundo”.

De novo bem realista

a ONU vem alertar

que na África e na China

a água pode faltar

e conforme este argumento

não tendo planejamento

muita gente vai dançar

 

Sonho um Brasil d’água limpa

e vida cheia de moral

vencendo a poluição

e qualquer um temporal

se no mundo água faltar

vamos daqui sustentar

a demanda mundial

E vamos exportar água

em garrafões ou barril

com a marca registrada

”the água made in Brazil”

pra ditadores malvados

nem tendo Euros trocados

não vendemos nem um til

 

Recuperar nossas águas

é nosso grande dever

e convido a juventude

para lutar e vencer

e se alguém quiser mais água

seja China ou Nicarágua

termos pra dar e vender

 

E não se deve estranhar

se a escassez do produto,

levar potência estrangeira

a construir aguaduto

até por baixo do mar

a fim de daqui levar

água mais pra seu reduto

 

Temos de ser otimistas

em qualquer situação

só queremos que alguém

nos indique a direção

faça um cordel bem bonito

ilustrado e bem escrito

e mostre a população

 

Pois nosso caso é dramático

Não dá pra se brincar

A FALTA D’ ÁGUA NO MUNDO

é coisa de arrepiar

se não houver uma ação

até em nossa nação

a água pode faltar

 

Esse poema de João nos faz refletir sobre a falta de água no mundo inteiro e em como o autor quer que tenhamos água em abundância para poder enviar até mesmo para os outros países. Mas no final do texto ele dita: se não fizermos alguma coisa, até aqui no Brasil a água pode faltar.

Esse próximo poema sobre a água é de António Gedeão, um poeta de Portugal, chamado “Lição sobre a água”:

Este líquido é água.

Quando pura

é inodora, insípida e incolor.

Reduzida a vapor,

sob tensão e a alta temperatura,

move os êmbolos das máquinas que, por isso,

se denominam máquinas de vapor.

 

É um bom dissolvente.

Embora com excepções mas de um modo geral,

dissolve tudo bem, ácidos, base e sais.

Congela a zero graus centesimais

e ferve a 100, quando à pressão normal.

 

Foi neste líquido que numa noite cálida de Verão,

sob um luar gomoso e branco de camélia,

apareceu a boiar o cadáver de Ofélia

com um nenúfar na mão.

Poema sobre a importância da água

A água é o bem mais precioso que temos. Ao redor do planeta, já existem milhões de pessoas sofrendo pela falta de água.

Ela é o que nos hidrata e nos mantém de pé. Recomenda-se que o ser humano beba pelo menos 2 litros de água por dia. Para muitas pessoas, isso pode ser encontrado facilmente nos mercados ou fazendo uma simples ligação para que entreguem na sua casa.

Já para outras pessoas, a realidade é outra: alguns caminham horas para conseguir encontrar uma fonte de água, e muitas vezes essas águas não são apropriadas para o consumo humano, o que pode desencadear diversas doenças.

Confira alguns poemas sobre a importância da água:

O primeiro é de Maria da Conceição do Amparo, e diz o seguinte:

Água fonte de vida

Água esperança

Água que mata a sede

Água que molha a planta.

 

Água que brota da terra

Água que sai do chão

Água que molha o trigo

Trigo que faz o pão.

 

Água que sangra das pedras

Água que vem da natureza

Água que nos dá alegria

Água que revigora a beleza.

 

Água que rola da serra

Água que jorra do chão

Água que enche rios

Água que transborda ribeirões.

 

Água que enche lagos

Água que enche lagoas

Água que corre para o mar

Água que corre á toa.

 

Água que move moinhos

Água que faz girar

Água que não descansa

Água que faz navegar.

 

Água nossa de cada dia

Água que nos dá energia

Água que nos dá calor

Água que nos procria.

 

Água de cada dia

Água da nascente

Água que cria a gente

Água que nos faz respirar

 

Água que sai da terra

Água que sai do ventre das matas

Que cai das cascatas.

Água fonte de vida

 

Água que brota dos córregos

Água que jamais voltará

Água nossa de cada dia.

A próxima poesia é de Paula Belmino, e ressalta as utilidades da água e sua importância, chamando-a de “líquido mais rico do mundo”.

Água de beber

Água pra lavar

Água poupe água

Eu quero me banhar.

Vida e luz

Rio azul, ondas do mar

Água doce

Pra sede matar.

 

Água…

Fonte esgotável

Clárida água

E gotas de orvalho.

 

Suor e sangue

Vida em movimento

Água em ciclos

Nuvens cheias de sentimento.

Água

preservar sua fonte é indispensável.

Bica, lagoa, poço profundo

Água a razão da vida

O líquido mais rico do mundo.

Poema sobre a água com rima

A rima dá um ar todo musical ao poema. Poemas com rima são bonitos de ler, ainda mais se tratar de temas tão importantes como a água.

O primeiro é de Evelyn Heine e se chama “Água doce, doce água”.

De mar é feita a terra,

De água é feita a gente.

Abaixo o desperdício!

Poupar água: coisa urgente!

 

Clara, doce ou gelada,

Verde, azul ou transparente,

Sem a água não há nada.

Nem floresta, nem semente.

 

Água doce mata a sede,

Água doce é a que lava.

Cachoeira, rio ou fonte…

Só não pode ser salgada.

 

Tanto bate até que fura,

Diz ditado popular…

Cuida dela! Você jura?

Vamos economizar!

 

O último poema com rimas é de José Couto e se chama “Água fresca”:

 

Água que molhas o chão,

vem lavar o meu rosto,

sentir-te na palma da mão,

assim fresca é um gosto.

 

Água que regas as plantas,

deixas os campos verdejantes,

com a tua frescura encantas,

e nada fica como d’antes.

 

Água que nas nuvens viajas,

e regressas ao chão a chover,

todos te dizem, bem hajas,

és tu que nos dás de comer.

 

Água que matas a minha sede,

saída bem fresca da fonte

e mesmo no cano da parede,

eu sei que vieste do monte.

O poema sobre a água é uma boa maneira de incentivar todos a colaborar com o planeta e gastar menos água, para que todos tenhamos um futuro com recursos naturais para todos. Confira também nossa matéria sobre Poema Visual.

Poema sobre a água
Avalie essa matéria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *