Uso dos Porques: Regras e Diferenças

O uso dos Porques é um dos conteúdos em que os estudantes mais têm dúvidas. É também o assunto que mais acarreta erros gramaticais na língua portuguesa. É por isso que trouxemos uma análise completa explicando a função de cada tipo de “porque”. Com isso, você poderá esclarecer suas dúvidas acerca desse assunto, além de aprender curiosidades sobre o emprego dos “porquês” que até então, você não sabia. Aprenda também técnicas incríveis para empregar corretamente os “porquês” sem nenhum erro! Vamos conferir?

Uso dos Porques

Muita confusão ocorre no uso deste POR QUE. As pessoas não sabem qual “PORQUE” usar no início das frases. Então, surge a dúvida, “POR QUE ou PORQUE?”. O que é muito comum, a maioria das pessoas atualmente comentem erros com frases que necessitam o “porque”.

Diferente do que a grande maioria de pessoas pensam, o uso do “POR QUE” não é apenas para fazer perguntas em início de frase. Quando, numa frase, o “POR QUE” for utilizado de modo interrogativo, ele terá o significado de “POR QUAL RAZÃO” “POR QUAL MOTIVO”. Ou seja, na maioria dos casos de perguntas diretas, usa-se o POR QUE.

Você também encontra em nosso site outros tira dúvidas como “Puder ou Poder“,entre muitos outros assuntos interessantes.

uso dos porques

Porque ou Por que

Na hora de aplicar o POR QUE nas frases, uma dica para facilitar é se lembrar que em “todas as frases interrogativas, no início, usa-se por que” (Vale ressaltar que esta regra não se aplica ao uso no final da frase. Portanto, tome muito cuidado para não confundir esta dica e achar que todas as frases interrogativas fazem uso do mesmo tipo de POR QUE.

A segunda dica para aplicar corretamente o POR QUE na frase, é substituir o POR QUE por “por qual motivo”, “por qual razão”, e outras formas de questionamento iniciados com POR… se a frase não perder a coerência, é mais uma certeza de que o POR QUE foi aplicado corretamente.

Diferença dos Porques

Exemplos de aplicações:

  • POR QUE as estrelas brilham?
  • POR QUE o céu é azul?
  • POR QUE você mentiu?
  • POR QUE ele recusou a proposta?
  • Ele não te contou POR QUE estava magoado comigo?
  • POR QUE a lua tem este formato?
  • POR QUE o sol brilha tanto?
  • POR QUE seus dentes são amarelos?
  • POR QUE você não fez o dever?
  • POR QUE você colocou a xícara ali?

Como mencionei, o POR QUE tem dois tipos de aplicação. O primeiro você já conhece, que é o uso do POR QUE em início de frases interrogativas. (lembre-se: a junção da preposição POR com o pronome interrogativo QUE terá o mesmo significado de “por qual motivo” e outras formas de questionamento iniciados pela palavra POR).

No entanto, o uso do POR QUE não se limita somente a este caso, como você já sabe. O segundo emprego do POR QUE é gerado pela preposição POR juntamente com o pronome QUE, que terá o efeito de pela qual”, “pela qual”, “pelos quais”, “pelas quais”. Este é um emprego do POR QUE que poucas pessoas sabiam.

Para não errar na hora de empregar o POR QUE como preposição/pronome, eu tenho uma dica infalível: sempre escreva suas frases usando pela qual, pelos quais, pelas quais, por qual. Por fim, substitua qualquer uma dessas flexões pelo POR QUE. Se a frase permanecer coerente, então o POR QUE foi empregado corretamente. Tome cuidado! “Com os quais” ou qualquer outra flexão sem “pela”, “pelos”, “pelas”, “por” pode não admitir o uso do POR QUE.

Exemplos:

  • Os lugares POR QUE passamos eram encantadores
  • As ruas POR QUE andamos estavam sujas
  • Esta é uma causa POR QUE luto
  • Você não sabe dos motivos POR QUE ela se atrasou
  • As cidades POR QUE passamos eram enormes
  • Tenho razões POR QUE não quero falar contigo
  • Os sonhos POR QUE lutei se foram
  • As lojas POR QUE passamos estavam fechadas
  • Tenho objetivos POR QUE trabalho
  • As cidades POR QUE passamos eram pequenas

Por Quê, Quando Usar

Este é um dos Porques mais fáceis de serem empregados em frase. De modo geral, este POR QUÊ sempre é usado de forma interrogativa. Depois de um ponto final, interrogativo ou exclamativo, o POR QUÊ continuará com o sentido de “Por qual razão”, “Por qual motivo”, no entanto, ele deve vir acentuado.

Para não errar na aplicação do POR QUÊ em uma frase, lembre-se da regra geral de que qualquer pergunta em que o POR QUÊ vem no final da frase acompanhado de um ponto que o antecede. Pense que sempre que houver uma frase interrogativa, o POR QUÊ virá depois da pequena pausa feita por algum tipo de ponto.

O “QUÊ” se torna tônico na entonação, portanto, sempre que houver um POR QUE em final de frase, ele terá um acento e passará a ser o POR QUÊ do qual estamos falando.

Exemplos:

  • Eu vi você conversando com aquela garota, POR QUÊ?
  • Andar cinco quilômetros, POR QUÊ? Podemos ir de carro.
  • Vocês não comeram tudo? POR QUÊ?
  • Você se machucou! POR QUÊ?
  • Está com febre? Será POR QUÊ?
  • Você decidiu não ajudar. POR QUÊ?
  • Sempre que eu a vejo, meu coração dispara. POR QUÊ?
  • Está com medo POR QUÊ?
  • Estamos perdendo o sinal! POR QUÊ?
  • Sinto que vou vomitar. Será POR QUÊ?

Porque

O PORQUE é a forma de PORQUE mais utilizada. Ele é usado na maioria das frases casuais e explicativas, e tem o mesmo efeito de “pois”, “uma vez que”. Esse PORQUE é sempre usado na explicação direta de frases simples, normalmente, mas não de modo geral, sem o uso de pontos antecedentes.

O PORQUE (junto, sem acento) trata-se de uma conjunção que indica motivo, justificativa e explicação. Em outras palavras, ele deve ser usado sempre que houver uma justificativa precedente.

Por exemplo: Ele não foi porque estava doente.

“PORQUE estava doente” é a explicação.

Este tipo de PORQUE é erroneamente explicado como um tipo de PORQUE que vem sempre em meio de frase. Se alguém já te ensinou que o PORQUE, junto e sem acento, deve ser usado sempre no meio de frases e por isso você formulou suas frases sempre usando o PORQUE no centro, sem se importar com as flexões antecedentes e precedentes ou qualquer outra coisa que pode alterar completamente o emprego do PORQUE na frase, eu sinto lhe dizer, mas você esteve errando este tempo todo!

Não é regra dizer que todas as frases em que o PORQUE está no meio, ele deve vir junto sem acento. Existe muitos casos em que se utiliza o POR QUE separado e sem acento no meio das frases. Já explicamos um pouco sobre isso, mas vale a pena ressaltar.

O PORQUE deve ser usado como um substituto do “pois”, de modo geral, então frases em que o substituto perfeito seria “pelo qual”, “pelas quais”, “pelos quais”, etc, não se deve usar este PORQUE.

Do mesmo modo, não se usa POR QUE como substituto de “pois”. Portanto, é extremamente crucial, em caso de dúvidas, montar sua frase usando flexões antes de substitui-las por um PORQUE. Por exemplo:

Ele não foi por que estava doente.” Esta frase está completamente errada, porque se você for substituir o “por que estava doente” por “pela qual”, a frase perde o sentido.

Por outro lado, se substituirmos o “porque estava doente” por “pois estava doente”, a frase continua coerente e isso é um sinal forte de que o PORQUE foi empregado corretamente.

Essa é a maior diferença dos PORQUES. Domine esta regra e você nunca mais cometerá um erro tão banal que é o de confundir o uso dos Porques em meio de frase.

Exemplos:

  • Ele não veio PORQUE estava doente
  • Eu não dormi PORQUE tinha muito trabalho
  • Eu odeio brigar com você PORQUE te amo
  • Eu estou triste PORQUE ele não veio
  • Eu te perdoo PORQUE te amo
  • Não fui ao cinema PORQUE tenho que estudar para a prova
  • Não cheguei a tempo PORQUE perdi o ônibus
  • Uso hidratante PORQUE tenho a pele seca
  • Não posso ter mais filhos PORQUE sou operada

Regra dos Porquês

Por fim, temos o PORQUÊ.

Este tipo de PORQUÊ é o substituto perfeito da palavra “motivo”. Qualquer frase em que houver um PORQUÊ que pode ser substituído pela palavra “motivo”, “razão”, “causa”, faz-se uso do PORQUÊ junto com acento.

O PORQUÊ, é, na verdade, um substantivo e vem sempre acompanhado de um determinante, como um pronome, artigo, adjetivo ou numeral. Não há segredo aqui. Para não errar na hora de empregar o PORQUÊ na frase, substitua a palavra por “motivo”. Se a frase não perder a coerência, você empregou o PORQUÊ corretamente.

Exemplos?

  • Diga-me o PORQUÊ para não fazer o que quero
  • O PORQUÊ de não estar conversando é porque quero me concentrar
  • Não entendo o PORQUÊ ela me abandonou
  • Não têm PORQUÊ brigar com ela
  • Estou em busca do PORQUÊ existo
  • Tudo na vida tem um PORQUÊ
  • Todos sabem o PORQUÊ do seu medo
  • Havia outro PORQUÊ para a sua reação
  • As crianças querem saber o PORQUÊ você se foi

Espero que nossa matéria tenha sanado todas as suas dúvidas com relação ao “uso dos porques” e  suas colocações nas frases! Veja também a maneira correta de usar “Derrepente ou de repente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *