Cores primárias e secundárias

Muito se fala das cores primárias e secundárias, mas você sabe quais são as características das cores desses grupos?

As cores despertam nossos interesses desde pequenos: adoramos pegar os lápis de cor, giz de cera e canetinhas e fazer os desenhos mais coloridos possíveis. Elas estão presentes nas nossas vidas desde que nascemos.

O estudo das cores sempre despertou o interesse de muitos cientistas que buscavam entender como e por qual razão enxergávamos todas as cores e como elas eram percebidas pelo nosso cérebro.

Hoje entendemos que a cor é percebida pelas células cones presentes em nossa retina e por isso reconhecemos quando algo é vermelho e quando algo é azul, por exemplo.

Há algum tempo, também passamos a classificar as cores em primárias e secundárias. Confira o que significa dizer que uma cor está em uma dessas duas categorias.

O que é cor primária

Muito tempo atrás, as cores primárias eram chamadas de “cores puras”. Elas eram chamadas assim porque não podiam se decompor em outras cores, ou seja, são “primárias”. É a partir delas que fazemos combinações para criar outras cores, que são chamadas de secundárias.

Para começar a explicar sobre cores primárias e secundárias, é preciso que antes você conheça um fato: nem todos os animais do planeta enxergam as mesmas cores.

Os Estomatópodes, por exemplo, possuem 16 receptores de cores, o que significa que eles enxergam 16 cores primárias, muito mais do que um olho humano sequer sonha em enxergar. Isso significa que a maneira como eles veem o mundo é completamente diferente.

Ao contrário dos Estomatópodes, as populares lacraias-do-mar, os seres humanos não são capazes de enxergar um trilhão de cores. Nós temos apenas 3 receptores, 13 a menos do os distantes crustáceos que vivem no mar.

Por isso, nossa visão é chamada de tricromática e as cores primárias são o vermelho, o azul e o amarelo, no sistema de cores da teoria de Leonardo da Vinci.

O que é cor secundária

Ao contrário da cor primária, a cor secundária não é pura. Ou seja, ela é feita com a junção de cores primárias com a finalidade de formar novas cores.

Para fazê-las, é preciso misturar, em partes iguais, uma cor primária com outra primária. Essas combinações serão chamadas de cores secundárias.

Imagine só se ninguém tivesse tido a brilhante ideia de misturar as cores primárias para criar cores de tintas? Provavelmente nossas obras de arte seriam muito estranhas, com apenas três cores.

Quais são as cores primárias

Existem três cores primárias – pelo menos para os seres humanos – já que temos visão tricromática, ou seja, três receptores de cor estão presentes na nossa visão.

As cores primárias, tradicionalmente, são vermelho, azul e amarelo.

Já nas teorias mais modernas, as cores primárias são vermelho, azul e verde, baseadas no modelo RGB (sigla que significa Red, Green, Blue, o nome dessas cores na língua inglesa).

Quais são as cores secundárias

As cores secundárias são a mistura de uma cor primária com outra cor primária, misturando partes iguais de cada uma delas.

São elas: verde, laranja e roxo (ou violeta) quando utilizamos as cores primárias da teoria tradicional, o azul, vermelho e amarelo.

Quando usamos o sistema RGB – vermelho, verde e azul – temos as cores secundárias ciano, magenta e amarelo.

Mistura de cores primárias

Uma das brincadeiras mais divertidas que tínhamos nas aulas de artes quando estávamos aprendendo sobre as cores primárias e secundárias na escola era a mistura de cores.

Ficávamos deslumbrados com a mágica de misturar duas cores e conseguirmos uma totalmente diferente.

A mistura de cores é uma boa forma de conseguir diversos tons para pintar alguma coisa quando temos disponíveis um número pequeno de tintas.

Nem sempre temos condições de comprar todas as cores que precisamos para finalizar nosso projeto, por isso saber como misturar as cores é uma boa forma de economizar bastante dinheiro.

Misturando a cor azul com o amarelo, teremos a cor verde. A combinação de azul e vermelho dará na cor roxa e a mistura de vermelho e amarelo será laranja.

Isso para as cores primárias tradicionais. Já no caso subtrativo, teremos azul com verde é igual a ciano, a mistura de azul com vermelho será magenta e vermelho e verde será amarelo.

Cor neutra e terciária

Além das cores primárias e secundárias, temos outras duas classificações acerca das cores: as cores neutras e as cores terciárias.

As cores neutras são o branco, o preto e todas as tonalidades de cinza. Elas servem, na maioria das vezes, para complementar outras cores, já que possuem uma baixa intensidade e energia.

O branco é considerado a soma de todas as cores e o preto é considerado a ausência de qualquer cor.

Já as cores terciárias são aquelas formadas pela mistura de uma cor primária e uma cor secundária, abrindo ainda mais o leque de opções de cores.

Baseado no sistema RGB, as cores terciárias são:

  • Laranja, que é a combinação das cores vermelho e amarelo.
  • Oliva, resultado da combinação amarelo e verde.
  • Turquesa, produzido a partir do verde e do ciano.
  • Celeste, resultado de ciano e azul.
  • Violeta, ao misturar azul e magenta
  • E por fim, o rosa, ao combinar magenta e vermelho.

Cores quentes e frias

Você sabia que as cores podem nos transmitir sensações? As cores quentes, por exemplo, nos transmitem uma sensação de calor. Já as cores frias, nos passam uma sensação de frio.

Cores quentes são aquelas associadas ao sol, como por exemplo o laranja, vermelho e amarelo.

Já as cores frias são mais sérias e associadas a coisas como o gelo e a água. São as principais cores frias o azul, o roxo e o verde.

Além disso, existem diversos outros estudos que vão ainda mais além: estudam as cores que nos passam as mais diversas sensações, como calma, fome e até mesmo desconforto.

Com o conhecimento das cores primárias e secundárias, neutras, terciárias, quentes e frias você conseguirá entender um pouco desse tão vasto assunto que é o estudo das cores, além de ser capaz de fazer misturas que irão te ajudar a dar vida a novas delas.

 

 

Cores primárias e secundárias
Avalie essa matéria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *